Prefeitáveis de Campos participam de encontro


Um encontro foi realizado com pré-candidatos a prefeito de Campos neste sábado (23), dia de São Jorge, no Colégio Eucarístico, primeiro organizado pela Pastoral da Cidadania e o Conselho Diocesano de Leigos, com objetivo de fomentar uma sociedade próspera, democrática, sem corrupção, sem violência discriminação e mentiras, economicamente justo, ecologicamente sustentável; e com oportunidades iguais para todos.

O bispo diocesano de Campos, Dom Roberto Francisco Ferrería Paz , comandou o evento.

Pré-candidatos apresentam propostas


MAURO SILVA – PSBD – “Todos me conhecem, eu sou Mauro Silva, tenho 54 anos e acredito que a eleição deste ano, que acontecerá só com doações de pessoas físicas, tornará a disputa mais igualitária e nós conseguiremos defender com ideias nossa candidatura. Acredito que temos que continuar com a grande rede de proteção social implantada no município. O desenvolvimento sustentável, mobilidade urbana e emprego com valor agregado.

Meu filho perguntou se eu iria ser candidato a prefeito e eu disse que era pré-candidato, e ele me respondeu: pai, se como vereador já não tem tempo pra nós, imagina como prefeito. Isso é uma reflexão para lembrar a cada um de nós onde realmente queremos chegar. Vou manter os meus princípios baseados em Deus e na família, não importa se católico, evangélico, espírita, o que importa é que mantenhamos a família em primeiro lugar.”

ALEXANDRE TADEU – PRB – “Minha candidatura surgiu olhando o que eu tenho de mais valioso, minha família.  Família me dá sustentação, me dá paz para me reerguer a cada tombo e seguir nessa caminhada. Mas a gente não pode falar só de propostas, vamos falar apenas de ideias, ideias que ao longo dos 9 anos de programa de televisão eu venho apreendendo. Ideias de uma administração justa e transparente, que só é possível ser feita a partir do momento que nós temos a participação de todos, a participação efetiva da sociedade, tomando decisões. Eu peço que para termos uma administração próxima de todos, para todos e com todos. É isso que eu penso ser uma administração eficiente. Nós já estamos captando ideias para que possamos realizar isso. Já estamos realizando algumas reuniões com segmentos da sociedade na área de educação, da saúde, segmentos religiosos e demais segmentos para montar nosso plano de governo.”

DR. EDSON BATISTA – PTB – “Inicialmente eu quero saudar a todos os pré-candidatos e dar um abraço fraterno em cada um deles, agradecer e parabenizar a iniciativa do Bispo Dom Roberto, que nos proporciona esse espaço de confraternização e que tem muito da visão do Papa Francisco que tem uma visão de estender a mão aos mais humildes, mais carentes a  nível internacional, e a gente vê com alegria a postura da CNBB defendendo alguns princípios. Parabéns por essa postura. E agora, me apresento, sou Edson Batista, sou médico cirurgião, sou casado, tenho três filhos e todos ingressaram na carreira médica também. Nossa administração na  Câmara de Vereadores de Campos foi baseada em três pilares, o primeiro a participação. Nunca na história da Câmara houve tanta participação popular, como nessa gestão. Para formular a Lei Orgânica foram convocados todos os segmentos da sociedade para discutir os temas mais variados para o município. Isso tudo focado na transparência. Outro ponto, é o compromisso com nossa história, resgatando pontos importantes de nossas conquistas do passado porque infelizmente aqui se desenvolveu uma sociedade escravagista, excludente, caracterizada na figura da senzala e da casa grande. Infelizmente há reflexos disso até hoje e precisamos avançar para uma sociedade mais justa. E por último, eu faço parte de um partido que tem como base o paio aos trabalhadores. O PTB (Partido Trabalhista Brasileiro) foi fundado por Getúlio Vargas e pensando nisso desejo que todos os senhores e senhoras aqui presentes nos ajudem na missão de construir uma cidade melhor.”

FÁBIO RIBEIRO – PR – “Eu sou campista, advogado e estou na política há 20 anos. Ingressei na Secretaria Municipal de Fazenda como consultor fazendário. Depois fui diretor da Fenorte, fui membro do Conselho Universitário da Uenf, Curador da Urej e depois, com muita honra, secretário de administração no governo Rosinha, em 2008. Estou como vereador licenciado, sou Secretário de Gestão de Pessoas e Contratos. Como cristão, eu acredito na participação das pessoas tementes a Deus na política, pois temos só um objetivo, o bem comum, isto é, o bem estar social. Para isso, temos que ter em primeiro lugar, amor ao próximo. O amor a coletividade. nessa caminhada de 20 anos, eu pude conhecer uma realidade em Campos, bem diferente. Na questão política, eu faço diferença em oito temas. Primeiro a organização da instituição. A parir disso, em 2008, começou a mudança e estamos no rumo certo para trazer Campos de volta ao crescimento.. Vivemos momentos muito difíceis devido a crise econômica em todo o país. Por isso, o município precisa de união. Precisamos da participação, criar consórcios entre os municípios. Na minha gestão como administrador encontramos o funcionalismo público em uma situação muito complicada, com mais de 24 mil terceirizados e apenas 11 mil concursados. E hoje, a realidade mudou, temos 15 mil concursados através de concursos realizados em 2012 e 2014, e a Prefeitura admitiu até mais funcionários do que foram disponibilizados. Hoje, somente 3 mil funcionários são contratados. Foi realmente uma mudança radical.”

FRANCISCO ARTHUR – CHICÃO – “Me sinto honrado pelo convite e parabenizo pela iniciativa. Nasci em Campos, no bairro da Lapa, há 58 anos, na época um bairro pobre de Campos. meus avós eram donos de um pequeno comércio e eu tinha dez irmãos. Depois da falência da fábrica de tecidos que existia na Lapa, todo o bairro faliu junto, e o momento atual do Brasil me lembra muito aquela época. Sou médico pediatra, reformado do Corpo de Bombeiros, o qual muito me orgulho de ter feito parte. Chefiei três clínicas de pediatria na cidade, dentre elas, Lílian Neves e Beneficência Portuguesa. Você não nasce político, eu sou essencialmente médico e isso que causou a eu chegar onde estou hoje, na política. E quero nesse momento tão difícil, me colocar como pré-candidato  e colocar à disposição a minha experiência nos dois mandatos junto ao governo Rosinha. Eu quero me doar e ter uma dedicação maior, assim como tenho na medicina. Por isso, que meus pacientes não me conhecem como Francisco Arthur e sim como Dr. Chicão. Sou católico e tenho exemplos de pessoas que vivem uma fé dentro da minha família, pessoas como meu pai, que acolhia pessoas necessitadas, muitas vezes, dando até de comer a elas. Fomos educados a ter o mesmo sentimento em relação às pessoas menos favorecidas. Todas essas experiências aumentaram a minha sensibilidade em relação ao próximo.”

GIL VIANA – PSB – “Não sou médico, não sou pediatra, não sou coronel, sou uma pessoa simples que veio do interior. Sou policial militar reformado. Fui sargento, e durante 26 anos servi à Polícia Militar. Meu pai Gil Manhães Viana, era garçom, muito famoso na cidade e tenho mais três irmãos. tenho três filhos e o mais novo tem três meses de idade. Na minha história de PM, foram dois anos em Campos e quatro no Rio. Aprendi muita coisa nesse tempo. Aprendi a lidar com pessoas boas e ruins. Por causa desse discernimento quero ser candidato a prefeito de Campos. Disputei a eleição de 2014 e tive quase 23 mil votos. Percebo que Campos clama por mudança. O primeiro mandato da prefeita Rosinha, confessou foi maravilhoso, inclusive eu participei dele. Já o segundo, está coberto de falhas. Isso é uma opinião particular minha e vendo o clamor das ruas, resolvi me candidatar.

MARIA AUXILIADORA – PHS – “Fui Secretária de Educação desse município por dois meses, presidente da Fundação Trianon e fui Coordenadora da Junta Estadual de Ensino, na época do governador Brizola,  a qual tenho muito orgulho de dizer que os Cieps que estão aqui na cidade, eu tenho uma parcela em sua implantação. Sou professora, católica apostólica romana. Sou filiada ao PHS (Partido Humanista da Solidariedade) e estou no momento pré-candidata a prefeita da cidade, o que pra mim é um orgulho muito grande, porque a causa pública sempre pulsou dentro de mim. Eu deixei de ser concursada do Banco do Brasil há 38 anos para ser professora pública. Durante esses 38 anos, tudo que cerca o bem comum é o que norteia minha vida. Eu penso que a política é a ciência m,ais bonita que a gente tem, porque através dela que promovemos o bem comum, que deve ser para todos. Desenvolvimento com justiça social, é nisso que eu acredito. Acho que os próximos governantes devem entronizar a educação porque através dela todas as benfeitorias sociais são feitas. Precisamos desenvolver uma nova vertente econômica para que não sejamos escravos do capitalismo selvagem. Esse tipo de capitalismo intoxica todas as vertentes econômica do país e acaba chegando aos municípios. Penso que outro desafio é a mobilidade urbana. Hoje, as pessoas não usam transporte  público, preferem utilizar seu próprio carro, e essa é uma questão que deve ser vista com muito carinho.

NILDO CARDOSO – DEM – “Meu nome é Nildo Cardoso, nasci em Poço Gordo e faço porte de uma família de oito irmãos. Meu pai ganhava um salário mínimo e ainda assim conseguiu criar os oito filhos. Em 1972, a usina fechou e nós viemos para Campos e eu comecei a trabalhar no Ao Livro Verde, aos 14 anos. Trabalhei lá durante sete anos. De lá fui trabalhar no Bradesco e depois trabalhei mais cinco anos em uma confecção. Logo depois disso, voltei para Poço Gordo e me tornei ceramista. Eu e meu irmão montamos uma sociedade e hoje nós temos seis cerâmicas na Baixada.Fui vereador durante muitos anos, porém em 2008, fui impedido com mais alguns vereadores de disputar a eleição. Como vemos, a política não é tudo de bom como as pessoas falam, ela tem sua parcela ruim. Não farei aqui propostas, pois aqui é um espaço para apresentar os pré-candidatos a prefeitos, porém volto a afirmar que não serei mais candidato a vereador nessa cidade, porque muitas que desejamos fazer, não conseguimos fazer como vereador, por isso hoje me sinto preparado para ser candidato a prefeito.”

RAFAEL DINIZ – PPS – Meu nome é Rafael Diniz, sou advogado, tenho 32 anos, servidor municipal licenciado, casado, tenho três irmãos, sou filho de Sérgio Diniz e Beatriz Diniz, e acredito que bons exemplos têm que ser dados dentro de casa. Eu não acredito num vereador e nem em um prefeito que não tenha uma vida regrada como família. Não há como eu fugir da política sendo neto de Zezé Barbosa e filho do ex-vereador Sérgio Diniz. Em 2012, o candidato seria meu pai, mas infelizmente ele veio a falecer em maio do mesmo ano. A partir disso, nos reunimos como família e colocamos em prática o nosso sonho, adquirindo maturidade e serenidade para disputar a prefeitura de Campos. No ano de 2012, quando fui candidato, fui eleito a Câmara de Vereadores. fazemos parte de um partido de oposição, mas oposição em ideias. Quando o governo ou vereadores da situação apresentam projetos que fazem bem a cidade, mesmo sendo oposição, nós votamos a favor, porque acreditamos no melhor para a cidade. Tudo que foi falado até aqui por todos os pré-candidatos, que tenhamos a responsabilidade de cumprir após a eleição. Acredito que Campos não pertence a político nenhum, ela é dos campistas.

ROGÉRIO MATOSO – PPL – “Acho que sou o único candidato aqui que não tem mandato em mãos e nenhuma secretaria do governo. Sou nascido e criado em Campos, e em 2008, quando tive um mandato em mãos, o meu maior trabalho foi conseguir homologar um concurso público em Campos para o PSF (Programa Saúde da Família). Desenvolvi alguns projetos que não foram aprovados, como o uso de energia solar em todas as casas populares, um projeto de alta envergadura social e ambiental. Conseguimos colocar com muito custo o Portal da transparência e a Câmara na internet para que qualquer eleitor pudesse ver o que estávamos fazendo, inclusive com tradutores de libras. Hoje, sou comerciante, sei muito bem da crise que o comércio está passando e sabemos o que é colocar comida no prato de um trabalhador. Eu acredito na união e na paz e na doutrina social da igreja colocando a família em ponto máximo. Por causa dessas coisas estamos preparados par os desafios da candidatura.”

THIAGO FERRUGEM – Sou Thiago Ferrugem, sou advogado, 29 anos, militei na UNE (União Nacional dos Estudantes), movimento que fez com que os humildes conseguissem acesso a faculdade. Depois desse trabalho no movimento estudantil, vim como candidato a vereador, em 2012, e logo depois a prefeita Rosinha, me convidou para a assumir a Secretaria de Infância e Juventude. E, nessa oportunidade, tive contato com as lideranças eclesiásticas da cidade, onde coordenei a Jornada Mundial da Juventude. penso que através disso, podemos amadurecer toda questão d  diálogo que faz com que a sociedade cresça. Durante meu período na Fundação da Infância e da Juventude, pude perceber a problemática no ensino de qualificação profissional em nossa cidade, e conseguimos com muito trabalho formar mais de 3 mil jovens com cursos de qualificação para o mercado de trabalho. Construímos abrigos para acolher pessoas moradoras de rua. Campos hoje tem oito abrigos com qualidade para dar dignidade a crianças e adolescentes abandonados. muito se fala em justiça social, mas pouco se faz por justiça social.

O evento foi encerrado com a bênção do bispo Dom Roberto a todos os pré-candidatos.

Foto: Filipe Lemos/Campos 24 Horas  e Isaias Fernandes/O Diário

Nenhum comentário