Leonardo Picciani, perde a Liderança do PMDB na Câmara


Parte da bancada do PMDB na Câmara protocolou nesta quarta-feira (9) a indicação do deputado Leonardo Quintão (MG) para ser o novo líder do partido, em substituição ao deputado Leonardo Picciani (RJ), que se isolou de uma ala da sigla ao se aproximar do Palácio do Planalto. A troca é automática, já que todas as assinaturas foram validadas pela Câmara e Quintão já é o novo líder da sigla.
O documento protocolado tem a assinatura de 35 deputados peemedebistas, o que representa mais da metade da bancada, que possui 66 deputados.
No entanto, aliados de Picciani afirmam que o deputado se articula para coletar assinaturas suficientes para retornar ao cargo. Ele conta com a volta de dois deputados licenciados, que atualmente atuam como secretários estaduais no governo do Rio de Janeiro: Marco Antônio Cabral e Pedro Paulo.
Picciani, segundo parlamentares próximos, espera coletar assinaturas suficientes para reverter a situação e formar uma maioria em torno de seu nome, incluindo a dos deputados licenciados e a desistência de parlamentares que assinaram o documento protocolado nesta quarta.
 
Em entrevista à rádio CBN nesta manhã, antes da nova indicação do partido ser protocolada, Picciani disse que a eleição para a liderança do PMDB está marcada para fevereiro e essa agenda "será cumprida".
"Com relação à liderança do PMDB, nós temos uma agenda, um calendário marcado para a eleiçao da liderança a partir de fevereiro do ano que vem. Esse calendário será cumprido. O PMDB já viveu essa guerra de listas e isso rachou partido em outros tempos. Não acredito que voltaremos a essa realidade", afirmou Picciani na entrevista.
Segundo o deputado Lúcio Vieira Lima (BA), que liderou a coleta de assinaturas, dois fatos mais recentes contribuíram para o desejo de substituir Picciani. O primeiro, disse, foi não ter consultado os integrantes da bancada para indicar os nomes da comissão especial que analisará o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Picciani indicou nomes considerados mais moderados, o que desagradou a ala dissidente dentro do PMDB favorável ao impedimento da petista.
O segundo motivo, ainda de acordo com Vieira Lima, foi Picciani ter comentado de “forma deselegante” a carta escrita pelo vice-presidente da República, Michel Temer, à presidente Dilma em que relata uma série de episódios que demonstrariam a falta de confiança da petista nele.
Picciani chegou a dizer que considerava que a carta revelava que o vice não tinha interesse no “fortalecimento da bancada”

Nenhum comentário