Polícia Civil confirma ligação entre homicídios, tentativa e sequestro



Um roubo triplamente circunstanciado (mediante concurso de agentes, emprego de arma de fogo e restrição de liberdade da vítima), em Marataízes (ES), dois assassinatos e um triplo atentado a tiros com um homem baleado num curto intervalo de tempo, na área de Guarus, em Campos.
O que parecia ser quatro situações distintas ocorridas entre a noite de terça-feira (10/02) e manhã desta quarta (11/02) estariam diretamente relacionados, assim informou o delegado assistente da 146ª Delegacia Legal, em Guarus, Pedro Emílio Braga, durante coletiva de imprensa no início da noite desta quarta-feira.
De acordo com Pedro Emílio, tudo começou na terça-feira quando um empreiteiro capixaba teria dado uma carona a três rapazes, em Marataízes, e no meio do percurso, o carro, um Pajero TR4 de cor preta com placa de Nova Iguaçu (RJ), teria sido interceptado por dois homens em uma moto, de modelo e placa não anotados.
O delegado contou que dos três ocupantes do veículo que haviam pedido carona, sendo um deles já conhecido do empreiteiro, dois teriam descido e dado lugar aos suspeitos da motocicleta. A partir desse momento, segundo Pedro Emílio, os três seguiram com o Pajero e renderam a vítima, que teria permanecido encapuzada e sendo ameaçada pelos criminosos durante todo o trajeto.
O empreiteiro, de 50 anos, que não terá o nome revelado, só foi abandonado alguns metros depois e os bandidos seguiram viagem com o carro e aproximadamente R$ 10 mil em dinheiro, que estaria no interior do veículo. “Seria mais um roubo de automóvel, mas acabou gerando conflitos entre a própria quadrilha, que culminou em um homicídio e ao que tudo indica numa represália a esse assassinato”, informou o delegado.
Segundo Pedro Emílio, o Pajero teria sido encomendado em Guarus por um homem de nome John Fernandes Lopes, 35 anos, que estaria envolvido com desmanche de veículos e atuaria na cidade encomendando veículos que ele esquentava e adulterava chassis para supostamente revender como se fossem bons.
Os três, identificados como Gustavo dos Santos Gonçalves, 18 anos, Leonardo Pereira dos Santos Junior e André Luiz Pires Magalhães, 28, o “Binho”, partiram para entregar o carro ao John, mas de acordo com o delegado, alguma coisa teria dado errado durante a negociação e ele foi morto ao volante de um Chevrolet Montana, de cor preta, na Avenida Carmem Carneiro na entrada do bairro Codin, em Guarus.
Após executarem John, os homicidas teriam ido à casa de um suposto quinto integrante da quadrilha, identificado como Washington Vieira da Cruz, 21 anos, que trabalhava como churrasqueio e também estaria envolvido no roubo como uma espécie de intermediário responsável por ligar os ladrões ao John, na negociação.
“Eles foram até lá e relataram o ocorrido para o Washington. Após isso, os três se despedem e vão embora e o Washington vai até a residência da sua ex-mulher, na Rua Quatro do Parque Nova Canaã, e no momento em que conversava com a mesma no quintal, um bonde com cerca de sete homens, em represália a morte de John, chegam num carro e duas motos e começam a disparar vários tiros na direção dele, que ainda tentou correr, mas foi alcançado e executado no corredor da casa vizinha”, relatou o delegado assistente.

Já sabendo do acontecido com o churrasqueiro, Gustavo, Binho e Junior teriam tentado fugir tomando sentido Espírito Santo, mas foram interceptados, a princípio, pelos mesmos atiradores que mataram o jovem no Canaã, que efetuaram vários tiros contra o Pajero. No tiroteio, Binho teria conseguido fugir e Junior acabou sendo baleado no rosto.
Ele e Gustavo, que não foi atingido, teriam caminhado até a margem da BR-101 e de lá apanhado uma carona para a Unidade Básica de Saúde (UBS) de Conselheiro Josino, também em Guarus, de onde foram encaminhados por um ambulância ao Hospital Ferreira Machado (HFM).
Chegando a unidade médica, os dois teriam se recusado a preencher o formulário de atendimento e teriam tentado fugir, embarcando em um táxi, de modelo Vectra, que fazia ponto na frente do hospital. “O taxista desconfiou da atitude dos dois e emitiu um alerta que efetuou uma chamada de emergência a Polícia Militar. Já sabendo das características do carro, os policiais conseguiram interceptar o veículo e capturar Gustavo e Junior, que estaria com o dinheiro roubado em Marataízes”, mencionou.

Ainda segundo Pedro Emílio, um dos suspeitos que teria sido responsável pela tentativa contra os três ladrões, já foi identificado, mas nenhuma informação a respeito do mesmo pode ser repassada para não comprometer a investigação.
“Ainda essa semana será realizada ações para coibir essas práticas de ferro velho e desmanche na área de Guarus e a delegacia não vai admitir esses ilícitos”, enfatizou o titular da 146ª DL Carlos Augusto Guimarães finalizando que a delegacia de Marataízes já está com os outros dois suspeitos, identificados apenas como Gabriel e Rubinho, de terem pegado carona juntamente com o Binho e posteriormente, descido do carro para dar lugar a Gustavo e Junior, que se encontram, respectivamente, preso e sob custódia da PM no Ferreira Machado.

FONTE: JORNAL URURAU

Nenhum comentário