Prefeito de Cardoso Moreira teria privilegiado a própria loja em empenhos



Durante acesso ao Portal da Transparência do município de Cardoso Moreira, o subsecretário do PR, Juanibal de Carvalho Correa, visualizou algo que lhe chamou a atenção. Segundo ele, nos anos de 2014 e 2015 a prefeitura realizou três empenhos a favor de uma empresa com nome fantasia de Lojão 104 Materiais de Construções Ltda. Entretanto, Juanibal afirma que esta empresa tem como proprietário o próprio prefeito, Genivaldo da Silva Cantarino, o Gege Cantarino, candidato a reeleição nas próximas eleições, e que a mesma funciona em Campos.

No entanto, Gege Cantarino diz que a denúncia não procede e "é fruto de desespero de um grupo político que diz estar liderando as pesquisas para as eleições deste ano".

Juanibal informou que irá apresentar as provas na próxima semana ao Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) para uma possível investigação. “Nós queremos saber se ele está beneficiando a própria loja e para onde foi todo esse dinheiro, pois a cidade está um caos”, disse Juanibal.

Conforme informações do Portal da Transparência, o empenho de 2014 foi na ordem de R$ 31.811,00 e o valor pago foi de R$ 11.833,00. Outro empenho apresenta uma importância bem maior: R$ 109.614,48, que teve o mesmo valor pago ao Lojão 104. O terceiro foi na ordem de R$ 482,00 e o Lojão 104 recebeu. Somados, a empresa do prefeito teria sido beneficiada com mais de R$ 120 mil em compras.

De acordo com o subsecretário, a análise ao Portal da Transparência é feita constantemente para saber como andam as finanças do município. “Foi quando me deparei com essas três compras realizadas no Lojão 104, que pertence ao prefeito. E essa prática é ilícita, pois o prefeito, dono de uma loja, não poderia estar participando de empenhos”, disse.

Prefeito admite que passou a empresa

Por telefone, Gege Cantarino informou ter vendido a empresa com o nome fantasia acima antes de ser eleito prefeito, em 2012. “Estes empenhos ocorreram depois de eu ter passado a empresa para uma pessoa que nem grau de parentesco tem comigo. A verdade é que empresa minha nunca vendeu para Cardoso Moreira”, comentou o prefeito, esclarecendo ainda que a Lojão 104 Materiais de Construções Ltda já abriu falência.

Caso a denúncia seja apresentada para o MP-RJ, esta será mais uma de inúmeras já protocoladas no órgão contra o prefeito. No ano passado, o MP-RJ havia apresentado na Justiça uma ação de improbidade administrativa contra Gege Cantarino em função da compra superfaturada de um terreno pertencente a cunhada dele. A ação foi proposta pelas promotorias de Tutela Coletiva do Núcleo de Itaperuna, onde mais quatro pessoas foram indiciadas.

fonte: O Diário NF
foto: blogfabriciofreitas

Nenhum comentário