ICONHA: Mais de 30 comunidades estão isoladas em Iconha após chuva no ES


Mais de 30 comunidades estão isoladas no município de Iconha, no Sul do Espírito Santo, após a forte chuva que atingiu a região na última sexta-feira (17). Até agora, a contabilização da Defesa Civil é de que duas pessoas estão desaparecidas na cidade, mas esse número pode aumentar conforme as equipes forem conseguindo acesso a esses locais. Parte da cidade ainda está sem energia elétrica.

Ainda segundo a Defesa Civil, o número de pessoas fora de casa também pode aumentar quando as equipes conseguirem chegar nas áreas isoladas. Até agora, a contabilização é de 35 desabrigados.

A forte chuva que atingiu o Espírito Santo na sexta-feira, sobretudo em cidades da região Sul, já deixa 415 pessoas fora de casa, segundo o último relatório divulgado pela Defesa Civil Estadual. Seis mortes foram confirmadas: três delas em Iconha e três em Alfredo Chaves.

Sobre os desaparecidos, na contabilização da Defesa Civil Estadual até agora, além dos dois casos em Iconha, há a confirmação de outros três casos em Alfredo Chaves. Entretanto, nesses dois município, os moradores alegam que esse número é maior e as equipes trabalham para chegar aos locais que estão isolados.

O tenente-coronel Carlos Wagner, que é porta-voz do Corpo de Bombeiros e Defesa Civil, explicou as dificuldades que as equipes de salvamento estão encontrando.

"A grande dificuldade é que em parte do município não foi restabelecida a energia elétrica, então as pessoas não conseguem carregar seus celulares. Podem ter pessoas desaparecidas e nós não estamos conseguindo essa informação por esse fator. As nossas equipes estão chegando nesses locais ilhados, buscas informações com a população e então vão catalogando e repassando para a prefeitura. Ou seja, é um trabalho lento, mas nós cremos que assim que a EDP conseguir fazer o restabelecimento da energia elétrica, vamos conseguir trabalhar com precisão o número de pessoas desaparecidas. Esse número pode ser maior sim."

Nesta segunda-feira (20), moradores trabalham para limpar a cidade. Muitos perderam tudo o que tinham e muitos prédios estão condenados pela Defesa Civil, por apresentarem risco de desabamento. Um imóvel, inclusive, veio abaixo neste domingo (19).

Toda a área comercial da cidade está sem funcionar e os donos de estabelecimentos alegam também que perderam o que tinham.

Equipes da EDP, concessionária de energia que atende a cidade, trabalham para restabelecer a eletricidade em todo o território afetado.

'Tsunami de água doce'
O tenente-coronel Carlos Wagner comparou a enxurrada que atingiu Iconha a um "tsunami de água doce" ao explicar como tudo aconteceu.

Segundo ele, já havia um alerta de chuva intensa para a região Sul do Estado para a sexta-feira, mas não da maneira como ocorreu: o nível do rio Iconha subiu cerca de cinco metros em pouco tempo.

"Choveu muito, principalmente em Vargem Alta, e o rio Iconha tem sua nascente em Vargem Alta, e por isso aconteceu toda aquela enxurrada que pegou pessoas andando nas ruas, carros passando no momento, caminhão que foi arrastado para áreas de alagamento. Foi como um tsunami de água doce que veio fazendo uma varredura na cidade de Iconha e também na área rural. Por isso temos hoje esse cenário de guerra que a cidade apresenta até hoje", explicou.

G1


Nenhum comentário