Bate boca na Alerj


 A sessão ordinária na tarde de quarta-feira na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) terminou como mais uma, a exemplo do que tem acontecido nos últimos dias: bate-boca e provocações, principalmente por parte de deputados de PSL e PSOL. Desta vez, uma colocação final de Alexandre Knoploch (PSL) criou ainda mais polêmica e discussão entre parlamentares no Palácio Tiradentes.
A fala foi feita após a palavra do companheiro de partido Rodrigo Amorim (PSL): Knoploch disse que abordaria um tema que "ninguém tem coragem de falar", e comparou as roupas de deputadas da Casa — hoje, 12 — aos figurinos de novelas adolescentes como Chiquititas e Carrossel, do SBT. Sobrou até para a Escolinha do Professor Raimundo. Parlamentares do PSOL acreditam que ele se referia especialmente à Dani Monteiro (PSOL), que vestia saia quadriculada e saias longas amarelas no plenário.

O presidente da Assembleia Legislativa, André Ceciliano (PT), convocou, para terça-feira, uma reunião com o corregedor, Jorge Felippe Neto (PSD), e o Conselho de Ética, presidido por Martha Rocha (PDT).
Na pauta, o octógono em que se transformou o plenário do Palácio Tiradentes.
Na quarta-feira (11), pela terceira vez nesta legislatura, foi necessária a intervenção de deputados, ou de seguranças da Casa, para que dois parlamentares não saíssem na mão diante das galerias e das câmeras da TV Alerj.

Os guardiões da ordem foram chamados quando um mal entendido culminou com dedos em riste — e disposição para passar disso — entre Alexandre Knoploch (PSL), de 33 anos, e Eliomar Coelho (PSOL), de 78.
Knoploch, aliás, é reincidente: em outra ocasião, chegou a quase trocar sopapos com o colega Bruno Dauaire (PSC).
Nas duas pontas
Desde fevereiro, a mesa diretora já recebeu seis representações de deputados contra deputados. Em geral, são denúncias do ultradireitista PSL contra o esquerdista PSOL — e vice-versa.
Fonte; Coluna Extra, Extra. O Globo

Nenhum comentário