Servidores (Funcionários) da Prefeitura de Campos, cruzam os braços


Os servidores públicos de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, paralisaram as atividades por 24 horas nesta segunda-feira (6) e fizeram um protesto na frente da sede da Prefeitura, no Parque Santo Amaro.

Os profissionais cobram aumento de salário e reivindicam melhores condições de trabalho. A proposta de reajuste da Prefeitura é de 4,18%, mas os funcionários públicos querem de 10% a 15%.

Por meio de nota, o município afirmou que "um reajuste superior ao que está sendo oferecido (4,18%, de acordo com IPC-A) ultrapassa o limite estabelecido pela lei de responsabilidade fiscal (LRF)".

Reflexos da paralisação

Segundo os servidores, o movimento causa reflexo em 80% das escolas municipais, sendo que algumas estão totalmente paradas.

De acordo com o Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação (Sepe), cerca de 100 escolas aderiram ao movimento por completo ou parcialmente. Na saúde, 30% do serviço está mantido.

A Guarda Civil Municipal também aderiu à paralisação. Segundo o presidente da Associação dos Guardas Civis Municipais de Campos, Marlon Andrews, somadas, as perdas salariais por falta de reajuste chegariam a 22%.

Carlos Augusto Leão, um dos diretores do Sindicato dos Professores e Servidores Públicos Municipais (Siprosep), afirma que os profissionais não aceitam receber menos de 10% de reajuste.

"Este é o valor mínimo, embora até tenhamos cogitado a média de 15% de aumento salarial, já que as perdas foram grandes nos últimos anos e o aumento concedido não acompanhou a inflação, e as perdas salariais", disse.

Nota da Prefeitura de Campos

"O município tem conhecimento do movimento por grupo de servidores e considera que os serviços essenciais estarão mantidos na segunda-feira.

Nos últimos dois anos, a Prefeitura de Campos vem mantendo diálogo com os servidores, apresentando de forma transparente os impactos que o município teve com a crise econômica e queda de arrecadação. Em paralelo, busca alternativas para reduzir a dependência dos royalties e fomentar a economia, gerando emprego e renda. Um reajuste superior ao que está sendo oferecido (4,18%, de acordo com IPC-A) ultrapassa o limite estabelecido pela lei de responsabilidade fiscal (LRF).

Graças aos esforços realizados por sua equipe econômica, a Prefeitura mantém os salários dos servidores em dia e conseguiu diversas conquistas, como a inauguração da policlínica do servidor, que atende o funcionalismo em várias especialidades médicas; e o clube de desconto do servidor. A atual gestão também está saldando uma dívida de R$ 180 milhões com o Instituto de Previdência dos Servidores de Campos (PreviCampos), deixada pela gestão anterior", diz a nota.

G1 Norte Fluminense.

Nenhum comentário