TRE-RJ | MP dá parecer pela cassação de Prefeita de Italva


Condenada em primeira instância a perda de mandato por distribuir bonecas em troca de votos na eleição de 2016, a prefeita de Italva-RJ, Margareth de Souza Rodrigues, a Margareth do Joelson, não está com muita sorte no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ), onde apresentou recurso tentando reverter seu inferno astral.
O parecer Procurador Eleitoral, Maurício da Rocha Ribeiro, é pela manutenção da sentença que cassa o diploma da prefeita e a torna inelegível. O parecer também mantém a cassação do diploma do vice Bruninho Souza, mas pede a revisão da inelegibilidade, por reconhecer que ele não teve participação na conduta criminosa. A sentença de primeira instância é dura e pede convocação de novas eleições no município do Norte Fluminense. A decisão sendo mantida na Corte Regional, ainda caberá recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
A reversão do caso no TSE nesses casos, tem sido difícil, caso a manutenção da cassação seja mantida, Italva poderá ter um novo Prefeito em breve.
Para a promotoria, não há dúvidas de que a eleição em Italva foi regida pela compra escancarada de votos. As provas materiais são robustas e várias testemunhas confirmam que Margareth foi empoderada pelo varejão eleitoral. Entre as provas estão as bonecas apreendidas na casa da então candidata, todas embaladinhas para mimar os filhos eleitores, prova de que a prefeita levava fé no dito popular: “quem minha filha beija, minha boca adoça”. Após o parecer da Procuradoria Regional Eleitoral, o processo segue para o relator no TRE-RJ, o desembargador Raphael Mattos.
ENTENDA O CASO
A Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije) é movida por Leonardo Orato Rangel, o Léo Pelanca (PSC), que concorreu a prefeito em 2016 e perdeu por uma diferença de apenas 141 votos. Três dias antes da eleição de 2016, fiscais da Justiça Eleitoral cumpriram um mandado de busca e apreensão na casa da então candidata Margareth do Joelson e apreenderam centenas de bonecas que seriam distribuídas para eleitores em troca de votos.
A compra de votos provocou um desequilíbrio no pleito em favor de Margareth, que foi eleita em Italva com 41,26% dos votos. A família tem um histórico de condutas vedadas. A prefeita é esposa de Joelson “Disco”, ex-prefeito da cidade que não disputou o pleito de 2016 por estar inelegível. Por isso, lançou a esposa.
O segundo colocado na eleição foi o candidato Léo Pelanca, com 39,68%. O então prefeito, que Leozinho do Banco, que disputou a reeleição, foi o terceiro colocado com 15,58% dos votos. Em quarto lugar ficou João Matos, com 3,48%.

Portal viu. Com informações do Jornal Olhar

Nenhum comentário