LINHA VERDE LANÇA MAIS UMA EDIÇÃO DA CAMPANHA DISQUE BALÃO

O Linha Verde, programa do Disque Denúncia do RJ específico para recebimento de denúncias sobre crimes ambientais, lança nesta segunda-feira (17) a 19ª edição da campanha de combate e prevenção a prática de confecção, comercialização, soltura e realização de festivais de balões. Essa campanha é sazonal e se estende até o dia 15 de Setembro.
Na campanha realizada no ano passado (entre 15/04 e 15/09), o Linha Verde cadastrou 75 denúncias envolvendo grupos de baloeiros, locais de comercialização, fabricação ou soltura de balões e ajudou a polícia na apreensão e combate a este tipo de crime. Com o auxílio dessas informações, o Comando de Polícia Ambiental, parceiro do Linha Verde, conseguiu apreender 154 balões; 22 pessoas envolvidas nessa prática criminosa foram presas e mais de 4.700 materiais utilizados na fabricação desses balões também foram encontrados pelos policiais. Por isso, é cada vez mais importante a ajuda irrestrita da população, pois através das denúncias ao Linha Verde, as forças policiais tendem a obter mais sucesso em suas operações.
A campanha “Disque-Balão” foi criada no ano de 1999 com o objetivo de estimular a população a denunciar locais de comercialização de balões, prevenir e reprimir a ação de baloeiros e a realização de festivais. Ela serve principalmente para sensibilizar a população para os riscos que os balões geram para a conservação e preservação dos recursos ambientais e para a segurança humana.
Tdas as denúncias que chegam através do Linha Verde, pelos telefones 2253 1177 ou 0300 253 1177 (interior do Estado, custo de ligação local) são encaminhadas para a polícia.
Cabe ressaltar que a prática de soltar balões é crime (artigo 42 da Lei de Crimes Ambientais nº 9.605/98). A pena para quem for pego confeccionando, comercializando ou soltando balões que possam provocar incêndios é de 1 a 3 anos de detenção ou multa, ou ainda ambas as penas cumulativamente.
Ao longo dos anos foi possível identificar que algumas datas têm efeito e aumento sobre a prática de soltar balões. Geralmente entre os meses de abril e junho são contabilizados os maiores casos, período em que se iniciam os preparativos em homenagem a São Jorge, dia das mães e também das festas juninas. O problema é ainda agravado pela menor umidade do ar no outono.
Os balões são perigosos e podem causar acidentes graves. Ele pode cair aceso em florestas e residências, produzindo grandes prejuízos patrimoniais, ameaça ao nosso meio ambiente e até mesmo colocando a integridade física e a vida das pessoas em risco.
Há cerca de duas semanas, com uma denúncia do Linha Verde, policiais conseguiram encontrar uma fábrica clandestina para produção de balões em São Gonçalo. Naquela ocasião, mais de 15 balões já fabricados foram apreendidos.

Números da campanha em 2016
Em 2016 o Linha Verde registrou 5.339 denúncias referente aos crimes ambientais. Dentre essas denúncias, 75 foram referentes a prática de comercialização, confecção, soltura de balões e grupos de baloeiros. Ao todo, 22 pessoas foram presas, 154 balões apreendidos e mais de 4 mil materiais para fabricação foram apreendidos pelo Comando de Polícia Ambiental.
Os municípios que mais contribuíram com informações (denúncias) foram: Rio de Janeiro, São Gonçalo e Nova Iguaçu e, levando em consideração somente a capital, os bairros onde houve mais denúncias sobre a incidência de balões, seja soltura, comercialização ou fabricação, foram: Campo Grande, Engenho de Dentro, Freguesia, Jacarepaguá e Ilha do Governador.

Nenhum comentário