Lula é nomeado Ministro e agora é Golpe ?


O cientista político Roberto Romano qualificou como "golpe" a indicação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para ministro da Casa Civil do governo Dilma Rousseff (PT).
"Lula ministro, ele será o presidente de fato e Dilma será a presidente de direito, e isso se chama golpe de Estado. Chama-se usurpação de autoridade. É um golpe palaciano", acusou.
Segundo Romano, o golpe, no caso, se configura porque se retira o poder de fato da autoridade investida pelo povo, eleitoralmente, para transferi-lo a outra figura.
Romano, que é professor de ética e política da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), acredita que essa saída, para dar suporte ao governo Dilma, não seja serena nem prudente e se mostra "própria de desesperados".
Para o professor, no xadrez político de agora, o PT age como se o jogo acontecesse exclusivamente dentro do palácio e não considera fatores externos decisivos, como a pressão social pelo impeachment nas ruas e o avanço das investigações da Operação Lava Jato, conduzidas pelo Ministério Público Federal. "Lula ministro pode ser o xeque-mate no governo."

Ao assumir o ministério e, assim, obter foro privilegiado e só ser julgado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) também poderá ser motivo de contestação, na opinião do professor da Unicamp. "A nomeação de alguém para escapar de uma ação penal é administrativamente um ato nulo. O subterfúgio é evidente", analisa.
Sem foro privilegiado?

Para Romano, a nomeação de Lula é um ataque virulento aos juízes de primeira instância de todo o país, e não só ao juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba. "Quer dizer então que Lula acredita que só os juízes do STF são isentos?"
O estudioso avalia o movimento geral por Lula ministro de "fuga para cima", que revela o distanciamento a que chegou o PT e o governo Dilma das bases sociais que o apoiam.
Roberto Romano / Guilherme Azevedo(UOL)

Nenhum comentário