Estado elabora plano para amenizar impacto da seca para pescadores



Um relatório contendo ações que possam minimizar impactos causados pela seca a pescadores artesanais e demais profissionais do segmento de Campos e Macaé está sendo preparado pela Fundação Instituto de Pesca do Estado do Rio de Janeiro (Fiperj) e associações e colônias de pesca do Norte Fluminense. A novidade é resultado das visitas de interação com o setor que acabam de ser feitas por Essiomar Gomes, que está há dois meses à frente da presidência da Fundação, e desde então fazendo o reconhecimento das unidades com as quais a instituição leva assistência técnica as regiões do estado. 
As visitas no Norte Fluminense começaram no último dia 18, em Campos, que abriga a sede do Escritório Regional do Norte Fluminense I, assistindo a outras quatro cidades. Com pescadores liderados por Amaro Flor, presidente da Associação dos Pescadores Artesanais da Lagoa do Campelo, Essiomar conferiu a situação da lagoa, praticamente vazia por causa da estiagem. À tarde, o grupo se reuniu na Reitoria da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) com representantes de outras cinco associações de pescadores artesanais (Coroa Grande, Rio Paraíba do Sul, Parque Prazeres, Lagoa de Cima e Lagoa Feia) e da Colônia de Pesca Z-19, do Farol de São Tomé, em Campos.
"Fiquei muito comovido com o que vi e, como instituição de apoio à pesca e a aquicultura, a Fiperj vai estudar maneiras de ajudar esses profissionais nesse momento de dificuldade", disse Essiomar, que já passou pelas unidades da Costa Verde, Região Serrana e Região Metropolitana.
Prosseguindo com a visita, na quinta-feira (19/03), Essiomar foi ao Escritório Regional Norte
Fluminense II, com sede em Macaé e atuando em outras cinco cidades. Para o presidente, a ação é fundamental para que defina melhor as estratégias de sua gestão, pois está conhecendo de perto o trabalho da Fundação e ouvindo profissionais do segmento. Sempre acompanhado do biólogo marinho Augusto Pereira (diretor de Pesquisa e Produção da Fiperj) e do chefe veterinário Luis Bernabe Castillo (chefe dos dois escritórios), Essiomar esteve ainda com representantes do setor pesqueiro no Centro Administrativo Luiz Osório (Cealo), no Centro da cidade. O encontro contou com a subsecretária de Pesca de Macaé, Rizete Ribeiro da Silva; o secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico e Tecnológico, Vandré Guimarães; e a gerente de qualidade do Mercado Municipal de Peixes de Macaé, Mariana Previtali.
Mercado de Peixes - O presidente da Fiperj aproveitou a viagem para percorrer as obras do novo Mercado Municipal de Peixes de Macaé, com previsão de entrega no primeiro semestre e cujo Plano de Controle da Qualidade foi apresentado na reunião com a prefeitura, com a qual a Fiperj assinou, há um ano, Termo de Cooperação Técnica (TCT) que garante ações e parceria como palestras, oficinas de capacitação e eventos.
Trabalho da Fundação - Nos dois municípios visitados, técnicos da Fiperj apresentaram a assistência e outras ações realizadas com milhares de pescadores e aquicultores da região. Além de cursos, visitas técnicas e demais atividades de capacitação e fomento (como a doação de alevinos), há muitas ações de orientação, como as que envolvem a emissão de DAPs (Declarações de Aptidão ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar, o Pronaf) e elaboração de projetos de créditos.

FONTE: JORNAL URURAU

Nenhum comentário