Centenas de manifestantes fazem passeata pelas ruas de Campos, RJ




Centenas de pessoas cruzaram as principais ruas de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, em uma manifestação contra a presidente Dilma e o governo do Partido dos Trabalhadores (PT).
Segundo os organizadores, cerca de 1 mil participantes marcharam pelas ruas da cidade. Já a Polícia Militar estimou a participação de 700 manifestantes.
O ato, marcado para 10h deste domingo (15), começou por volta das 11h30. Ele foi organizado por um grupo de amigos que criou a página no Facebook “Manifestação pelo impeachment de Dilma”, que logo recebeu apoio de outros órgãos da cidade. Na rede social foram 50 mil convidados e 4.700 confirmaram presença.
O grupo saiu da Praça São Salvador, no Centro, e percorreu as ruas Avenida José Alves de Azevedo, Saldanha Marinho e Avenida Pelinca. A passeata terminou por volta das 12h30 na Avenida Pelinca, bairro nobre da cidade.
G1 não conseguiu contato com representantes da maçonaria na cidade.
Os manifestantes se vestiram de verde e amarelo e seguravam faixas contra o governo. Durante a caminhada, sob um forte sol, eles gritaram palavras de ordem como “Fora, Dilma” e “O povo na rua, Dilma a culpa é sua”.
“O objetivo maior de hoje foi fazer em Campos o mesmo que outras cidades: pedir o impeachment da presidente Dilma. Mas também queremos mais justiça e menos corrupção no nosso país. Somos um grupo de amigos que se juntou para fazer essa mobilização aqui e depois que nos juntamos recebemos o apoio de várias entidades. Não temos partido nem patrocínio”, disse a estudante de direito Maria Barcellos, uma das organizadoras.
O protesto foi pacífico e contou ainda com o apoio da Associação Comercial e Industrial de Campos (Acic), Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Associação dos Médicos de Campos, Sindicato do Comércio Varejista, Loja Maçônica e Motoclube.
“Nós participamos da manifestação em protesto aos aumentos de impostos. Nos não queremos o impeachment, mas somos contra esses aumentos”, disse Amaro Ribeiro Gomes, presidente da Acic.
A CDL também se manifestou. “Somos contra as altas cargas tributárias que estamos sofrendo. Levantamos a bandeira de melhores políticas econômicas e fiscais no país, porque aqui temos o 'desajuste' fiscal”, desabafou Norival Manhães, presidente do órgão.
O sindicato dos médicos de Campos também teve representantes nas ruas neste domingo. “Os médicos de Campos apoiam o movimento por discordar da política econômica e da roubalheira no Brasil. A manifestação é contrária a tudo isso”, reclamou o médico Messias Moreira, diretor do Sindicato dos Médicos de Campos.
“Nós compartilhamos desta insatisfação. O aumento do combustível acaba aumentando nossos gastos com as viagens e passeios que participamos”, reclamou Andrade Rosa da Silva, membro Motoclube de Campos.
“Estamos nos juntando às vozes do Brasil inteiro e somos contra a corrupção e os desmandos do governo federal. Estamos fazendo a nossa parte e que sejamos ouvidos pelo governo para mudar o que está aí. A classe lojista não aguenta mais pagar impostos. Nossa classe é muito afetada durante todos estes anos do PT no governo. Estamos sufocados com essa pressão”, falou o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Campos, Carlos Eduardo de Carvalho.
Setenta policiais militares acompanharam o protesto para combater possíveis conflitos, mas nenhuma confusão aconteceu. Guardas municipais também reforçaram a segurança no local.
FONTE: G1

Nenhum comentário