Segundo reservatório que abastece o Rio de Janeiro atinge volume morto


Mais um reservatório que abastece o Rio de Janeiro atingiu o volume morto. A informação é do boletim do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) que foi publicado neste domingo (25/01). O reservatório de Santa Branca (em São Paulo) está entre as quatro represas da Bacia do Paraíba do Sul, responsáveis pelo abastecimento do estado.
Este é o segundo abastecedor do Rio a apresentar o problema, por conta da estiagem na região. Na última quarta-feira (22/01), o reservatório de Paraibuna, também em São Paulo, atingiu o volume morto — quando a água na barragem não é mais suficiente para gerar energia. Quando isso ocorre, as hidrelétricas são desligadas e a usina hidroelétrica foi desligada no momento em que a água atingiu o nível zero. O Paraibuna é o principal reservatório de água do estado.
A usina de Santa Branca, administrada pela Light, foi desligada no sábado (24/01). Procurada, a concessionária ainda não se manifestou. Com o desligamento de Santa Branca, a crise hídrica no estado se agrava e preocupa autoridades, que chegaram a sinalizar a possibilidade de racionamento de água caso a seca continue.
Apesar de o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), ter negado a necessidade de racionamento para a população, o secretário estadual de Meio Ambiente, André Corrêa, não descartou a medida. Segundo ele, se em seis meses o problema persistir, poderá haver racionamento de água.
Nesta segunda-feira, o governo do estado informou que Pezão apresentará, nesta quarta-feira (29/01), um plano para amenizar as consequências da estiagem no Rio à presidenta Dilma Roussef, em Brasília. Segundo a assessoria da Casa Civil, a proposta foi elaborada por técnicos da Cedae e da Secretaria estadual do Ambiente.
"Algumas cidades podem ser prejudicadas, se a estiagem continuar. Vou me encontrar com a presidenta Dilma para discutirmos ações e projetos de combate à seca", declarou Pezão, durante o lançamento do programa Rio Emergencial Rural (de reflorestamento das margens dos rios Paraíba do Sul e Guandu) em Italva, no noroeste do Rio.
BACIA DO PARAÍBA DO SUL: ABASTECIMENTO DO RIO E SÃO PAULO

A Bacia do Paraíba do Sul é composta pelas represas de Paraibuna, Santa Branca e Jaguari, todas em São Paulo, além de Funil, que fica em Itatiaia, no estado do Rio.
A Bacia é usada para abastecer a capital fluminense além de municípios da Baixada, por meio de transposição para o Rio Guandu. Além disso, abastece parte de São Paulo, alcançando 11 municípios do estado e um total de 11,2 milhões de pessoas.
Além dos reservatórios de Paraibuna e Santa Branca terem atingido o volume morto, os de Jaguari e Funil registram percentuais reduzidos de água no volume útil. Jaguari está em 1,72% e Funil 3,75%.

FONTE: JORNAL URURAU

Nenhum comentário