Operação contra quadrilha na Região dos Lagos prende 21 pessoas



A Polícia Federal e o Ministério Público do Rio de Janeiro (MP/RJ) cumpriram 21 dos 26 mandados de prisão expedidos para a Operação Dominação, nesta terça-feira (27/01), na Região dos Lagos. Todos os presos são acusados de envolvimento com o traficante Carlos Eduardo Rocha Freire Barbosa, conhecido como "Cadu Playboy". Eles poderão responder por crimes como tráfico de drogas, organização criminosa, receptação, lavagem de dinheiro e comércio ilegal de armas de fogo, entre outros.
A lista completa dos presos não foi divulgada, mas entre eles está o pai de Cadu, Francisco Eduardo Freire Barbosa, conhecido como "Chico da Ecatur", que é presidente da Empresa Cabista de Desenvolvimento Urbano e Turismo (Ecatur), autarquia responsável pelo serviço de limpeza pública em Arraial do Cabo. De acordo com a denúncia, Chico participou do esquema de lavagem de dinheiro emprestando seu nome para ocultar a origem criminosa do patrimônio obtido pela organização. Ele foi preso na casa dele, em Cabo Frio, onde foram apreendidos R$ 31 mil. Outros R$ 15 mil foram localizados dentro de um veículo dele.
A Operação Dominação foi deflagrada na manhã desta terça pelo Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro e pela Delegacia de Repressão a Crimes Contra o Patrimônio (Delepat) da Polícia Federal. Durante a operação, quatro veículos, R$ 75 mil e 50 caixas de cápsulas para embalagem de drogas foram apreendidas.
De acordo com a denúncia, o bando atuava no comércio de drogas em pontos de venda implantados e mantidos em localidades da Região dos Lagos. Playboy também adquiria e recebia de fornecedores e associados armas de fogo e munições de diversos calibres, distribuídos ao resto da quadrilha, além de receber auxílio do também denunciado João Paulo Firmiano Mendes da Silva, vulgo “Russão” ou “Monstro”. Espécie de chefe ativo, João Paulo era integrante da mesma facção criminosa e chefe da comunidade da Mangueira, no Rio. Os denunciados também pulverizavam os recursos provenientes do tráfico, distribuindo bens em seus nomes, de modo a dificultar a vinculação destes com o mercado ilegal de entorpecentes.
A Operação Dominação também cumpriu mandados de busca e apreensão, além do sequestro de bens móveis e imóveis e o bloqueio de valores de todos os denunciados e das seguintes empresas: Rocha e Vignoli Empreiteira Ltda.; C Vignoli Restaurante e Pizzaria; Locabotur Ltda.; T. Vignoli Comércio; Gordo Pizzas; D. G. Vignoli Confecções; RCJ Comercio Atacadista de Material de Laboratório Ltda; Douglas Pereira Rocha; Rui Pralon Meireles; B & B Cabo Frio Comércio e Representação e Serviços Ltda.; Bragança e Barboza Ltda; José Vignoli; e Soft Rio Confecção Ltda.
Durante as investigações, que tiveram início em setembro de 2014, foram apreendidos três fuzis, 18 pistolas, 2.821 munições de fuzil, 1.190 munições de pistola, 173 quilos de cocaína, meia tonelada de maconha, comprimidos de ecstasy, 12 carros, um caminhão, embarcações e R$ 727 mil em dinheiro. Houve ainda o sequestro judicial de dez imóveis e 14 terrenos num condomínio em São Pedro da Aldeia. Segundo a contabilidade apreendida, o núcleo de Playboy movimentava cerca de R$ 1,8 milhão por mês.

PREFEITO DE ARRAIAL NÃO SE PRONUNCIA

Procurado para falar sobre a prisão de "Chico da Ecatur", presidente da autarquia de limpeza pública da Prefeitura de Arraial do Cabo, o prefeito Wanderson Cardoso de Brito, o Andinho, preferiu não se manifestar até a conclusão do processo. Ele não informou se "Chico da Ecatur" será mantido no cargo.

FONTE: JORNAL URURAU

Nenhum comentário