Vacinação contra sarampo e pólio termina nesta sexta em todo país



A campanha de vacinação contra sarampo e poliomielite encerra nesta sexta-feira (12/12). Até esta quinta-feira (11/12), 10,8 milhões de crianças foram vacinadas contra poliomielite e 8,7 milhões contra sarampo, o que representa 85% e 79,8% do público-alvo, respectivamente. A meta do Ministério da Saúde é imunizar 95% das crianças para manter a erradicação da poliomielite e garantir a eliminação do sarampo no Brasil. Cerca de dois milhões de crianças, destes dois grupos, ainda não foram vacinadas.
O objetivo do Ministério da Saúde é promover a vacinação contra a poliomielite a 12,7 milhões de crianças entre seis meses e cinco anos de idade incompletos. A medida tem como objetivo manter a erradicação da doença no Brasil, que não apresenta casos de poliomielite desde 1990. Para isso, o Ministério distribuiu 17,8 milhões de doses da VOP (Vacina Oral Poliomielite) durante a campanha. A meta é vacinar, pelo menos, 95% do público alvo, cerca de 12 milhões de crianças.
Já a vacinação contra o sarampo é voltada para crianças entre um e cinco anos de idade (incompletos). Devem ser vacinadas 10,9 milhões de crianças com a tríplice viral. O Ministério da Saúde distribuiu mais de 11,8 milhões de doses da vacina, que além de imunizar contra o sarampo, também garante a proteção contra a rubéola e a caxumba.
“Essas duas doenças são graves e a vacina é a melhor forma de prevenção. Por isso, é fundamental que consigamos vacinar todas as crianças, na faixa etária de seis meses a cinco anos de idade incompletos. Ainda dá tempo”, observa o ministro da Saúde, Arthur Chioro.
As vacinas estão disponíveis em 35 mil postos de vacinação espalhados pelo país. Em Campos, pais devem se dirigir com seus filhos às unidades de saúde, onde 60 locais estão fazendo o atendimento.
"Vacinamos 23.200 crianças no seguimento sarampo, o correspondente a 88% de cobertura, e 22 mil crianças contra a pólio, o que corresponde a 75% da cobertura prevista, até o segundo Dia D de mobilização da Campanha Nacional de Vacinação, que aconteceu no dia 29 deste mês", afirmou o vice-prefeito e secretário de Saúde, Doutor Chicão.
ALERGIA- Para as crianças com alergia ao leite de vaca, a vacinação contra sarampo ocorrerá posteriormente. O Ministério da Saúde já orientou as secretarias estaduais e municipais de saúde que evitem vacinar essas crianças com o produto fornecido pelo laboratório Serum Institutte of India Ltd. A iniciativa é uma medida de precaução, devido à presença do componente lactoalbumina hidrolisada nas doses fornecidas pelo laboratório.
Para garantir a vacinação correta, os pais ou responsáveis que levarem as crianças aos postos de saúde, serão questionados sobre uma possível alergia ao leite de vaca. Caso a criança não tenha registro prévio de alergia, ela receberá a dose normalmente.
POLIOMIELITE – A poliomielite é uma doença infectocontagiosa grave e a única forma de prevenção é por meio da vacinação. Na maioria dos casos, a criança não vai a óbito quando infectada, mas adquire sérias lesões que afetam o sistema nervoso, provocando paralisia irreversível, principalmente nos membros inferiores. A doença é causada pelo poliovírus e a infecção se dá, principalmente, por via oral.
Embora, atualmente, o Brasil esteja livre da paralisia infantil, é fundamental a continuidade das campanhas de vacinação, para evitar a reintrodução do vírus no país. De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), 10 países registraram casos de poliomielite em 2013 e 2014, sendo que três deles são considerados endêmicos (Paquistão, Nigéria e Afeganistão).
SARAMPO – O sarampo é uma doença viral aguda grave e altamente contagiosa. Os sintomas mais comuns são febre alta, tosse, manchas avermelhadas, coriza e conjuntivite. A transmissão ocorre de pessoa a pessoa, por meio de secreções expelidas pelo doente ao tossir, falar ou respirar. As complicações infecciosas contribuem para a gravidade do sarampo, particularmente em crianças desnutridas e menores de um ano de idade. A única forma de prevenção também é por meio da vacina.
Os últimos registros de contágio autóctone de sarampo no Brasil ocorreram em 2000. Em 2013 e 2014, foram registrados casos importados ou relacionados à importação, com concentração nos estados de Pernambuco e Ceará. No mundo, em 2014, foram registrados 160 mil casos da doença, de acordo com a OMS. Cabe ressaltar que, com o fluxo de turismo e comércio entre os países, o risco de importação do vírus é maior, por isso a importância da imunização.

FONTE: JORNAL URURAU

Nenhum comentário