Pezão/Cabral em 2014 registra dobro de mortes de PMs em UPPs sobre 2013


Em 2014, ano em que Sérgio Cabral passou o bastão do governo do Rio para seu vice, Luiz Fernando Pezão, o número de confrontos em áreas de UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora) no Rio disparou. Os traficantes, que, no começo da pacificiação, ficavam disfarçados para evitar conflitos nas favelas, tiraram dos esconderijos as armas de grosso calibre para buscar a retomada dos territórios, principalmente nos complexos do Alemão e da Penha, na zona norte.
Do outro lado, com poder de fogo por vezes inferior ao dos criminosos, os PMs tentam defender suas bases, mas o número de mortos em serviço nunca foi tão alto como o registrado desde janeiro. Foram sete mortes em áreas de UPPs em 2014, faltando pouco mais de dois meses para acabar o ano. Significa mais do que o dobro em relação a 2013, quando houve três mortes. Em 2011, foram quatro vítimas.
Na última segunda-feira (6), um agente da UPP Camarista Méier, na zona norte, foi atingido por um disparo na cabeça. O estado de saúde dele era gravíssimo na noite de terça (7).
Há menos de um mês, em 11 de setembro, o comandante da UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) Nova Brasília, o capitão Uanderson Manoel da Silva, foi avisado sobre um tiroteio em uma rua da comunidade e entrou correndo em uma viatura, na tentativa de ajudar os colegas de farda. Ele não estava protegido com um colete à prova de balas e morreu após ser atingido no peito.
A denúncia da falta de estrutura e de treinamento dos policiais das UPPs é antiga. Três agentes ouvidos pela reportagem da Record em novembro de 2013 deram detalhes sobre os riscos do convívio velado com traficantes em uma favela pacificada
Sem se identificar, um soldado lotado em uma comunidade da zona norte afirmou que os traficantes ainda davam ordens aos moradores e afetavam a rotina do local.
— Os policiais estão em um barril de pólvora. Porque dentro da comunidade existem os traficantes, as armas e a população, que vive em função do que manda o traficante. Então, dependendo da postura dele, vai acender esse barril e explodir.
Ela alegou ainda que os policiais de UPPs não estão completamente equipados e treinados para lidar com os traficantes infiltrados. Na maca de um hospital após participar de uma troca de tiros, um outro PM relatou que fuzis  circulam na mãos dos criminosos nas favelas
Indignado, um outro policial lamentou a falta de investimento na estrutura da Polícia Militar.
— Nunca se viu uma policia militar sendo tão menosprezada como hoje. Porque você não tem estrutura para agir de forma correta, como a sociedade quer, mas também não tem como se defender.
Relembre as mortes de PMs em favelas pacificadas:
2014
Soldado Alda Rafael Castilho, de 27 anos, morta em 2 de fevereiro (UPP Parque Proletário);
Soldado Wagner Vieira Cruz, de 33 anos, ferido na madrugada do dia 28 de fevereiro e morto em 6 de março (UPP Vila Cruzeiro);
Soldado Rodrigo de Souza Paes Leme, de 33 anos, morto em 6 de março (UPP Nova Brasília);
- Aspirante a oficial Leidson Acácio Alves Silva, de 27 anos, morto em 13 de março (UPP Vila Cruzeiro);
Soldado Fábio Gomes da Silva, de 30 anos, morto em 23 de junho (UPP Fazendinha);
Soldado Weslley dos Santos da Silva Lucas, de 30 anos, morto em 12 agosto (UPP Coroa/Fallet/Fogueteiro);
Capitão Uanderson Manoel da Silva, de 34 anos, morto em 11 de setembro (UPP Nova Brasília).
2013
Soldado Paulo Ricardo Fontes Carreira, de 30 anos, morto em 18 de agosto (UPP Batan);  
Soldado Anderson Dias Brazuna, de 34 anos, morto em 06 de outubro (UPP Cidade de Deus);  
Soldado Melquizebeque dos Santos Basílio, de 29 anos, morto em 02 de novembro (UPP Parque Proletário).  
2012
Soldado Fabiana Aparecida de Souza, de 30 anos, morta em 23 de julho (UPP Nova Brasília);
Soldado Diego Bruno Barboza Henriques, de 24 anos, morto em 13 de setembro (UPP Rocinha);  
Sargento Paulo Cézar Lima Junior, de 33 anos, do BPChoque, morto no Morro da Coroa em 15 de setembro (UPP Coroa/Fallet/Fogueteiro);  
Cabo Fabio Barbosa da Silva, de 38 anos, morto em 05 de dezembro (UPP Alemão).  

*R7

Nenhum comentário