Argentina garante vaga na final.


Independência, Chiquito! Independência! A Argentina está na final da Copa do Mundo graças a um herói improvável. Um herói que chegou ao Brasil criticado, contestado, e repetiu Goycochea 24 anos depois. No dia em que completam 198 anos de independência, os hermanos bateram a Holanda nos pênaltis graças a Sergio Romero e estão na decisão de domingo, contra a Alemanha, no Maracanã. Chamado de Chiquito por ser o mais baixo de  quatro irmãos na infância, o goleiro foi gigante e parou as cobranças de Vlaar e Sneidjer. Brasileiros, não teve jeito, eles estão na final - nos 120 minutos, ninguém fez gol na Arena Corinthians nesta quarta-feira.
Desta vez, Louis van Gaal não aprontou, não guardou a última substituição para colocar Krul nas cobranças de pênaltis e se deu mal. O máximo que Cillessen conseguiu foi tocar na bola após chute de Maxi Rodriguez, o derradeiro, que garantiu a Argentina na grande decisão. Em 1990, na Itália, foi outro Sergio, o Goycochea, que parou os donos da casa em outra decisão por penalidades máximas e garantiu os hermanos em outra final contra a Alemanha. A história se repete.
Será a terceira final de Copa entre alemães e argentinos. Em 1986, Maradona garantiu o bi para os hermanos. Quatro anos depois, o futebol coletivo do time germânico comandado por Beckenbauer no banco e Matthäus no campo foi responsável pelo tri. Agora, o tira-teima. Messi ou Müller? Romero ou Neuer? Os europeus chegam embalados pelo 7 a 1 no Brasil, jogam melhor, mas a Argentina tem se mostrado o time do improvável, um time de vitórias no fim.
Aos holandeses resta um encontro com o Brasil, sábado, às 17h (de Brasília), no Estádio Mané Garrincha, em Brasília, para decidir o terceiro lugar. Um jogo com cara de melancolia para os donos da casa e também para a Laranja, que chegou perto mais uma vez e novamente refugou. Dificilmente a geração comandada por Robben, Van Persie e Sneidjer terá outra chance.
Sergio Romero defesa pênalti jogo Argentina x Holanda (Foto: Getty Images)Sergio Romero vibra com defesa de pênalti na Arena Corinthians (Foto: Getty Images)
Precaução e pouca emoção
Muita marcação, muito toque para o lado e pouco futebol. Holanda e Argentina entraram em campo tão preocupados com o que o outro ia fazer, que esqueceram de jogar. O 7 a 1 da Alemanha sobre o Brasil e o risco de um novo vexame parecem ter deixado as duas equipes mais precavidas. Mas não precisavam ser tão precavidos. Ao término dos 45 minutos iniciais, foram apenas quatro finalizações - três para os hermanos e uma dos holandeses. Romero e Cillessen, no entanto, desceram para o vestiário sem muito trabalho.
Na ausência de Di María, Alejandro Sabella optou por escalar Enzo Pérez e uma formação mais defensiva. Era como se dissesse: "Vamos nos defender aqui, e Messi e Higuaín que se virem lá na frente". No lado esquerdo da defesa, Rojo sempre tinha a ajuda de um companheiro na marcação a Robben. Como o treinador já tinha alertado na véspera, não podia deixar o atacante pegar velocidade. E assim foi. Quando o carequinha flutuava pelo campo, Mascherano o acompanhava, e a atuação apagada de Van Persie facilitava o trabalho dos argentinos.
Com o rival controlado, a Argentina tentou sair e propor o jogo. Enzo Pérez e Lavezzi trocaram de posição, e o segundo impôs correria no lado direito do campo. As melhores jogadas do primeiro tempo saíram de seus pés, com avanços até a linha de fundo. Nada, porém, que empolgasse muito. Messi, na mesma banda do campo, mas um pouco mais recuado, aparecia mais para tabelas do que em jogadas individuais. De Jong o perseguia, e o craque não conseguia fazer a diferença. O jogo era monótono. Chato, na verdade.
Robben jogo Argentina x Holanda (Foto: Reuters)Robben lamenta: craque holandês perdeu grande chance no fim da partida (Foto: Reuters)
Higuaín e Robben assustam, e só
O medo de perder continuou ditando o ritmo do jogo no segundo tempo. A diferença é que foi a Holanda que passou a ter mais a bola e tentar criar alguma coisa. Tentar, e só, porque nada acontecia. Era bola para esquerda, bola para direita, e desarme argentino. Van Persie sequer aparecia para fazer graça, enquanto Robben e Sneidjer erravam quase tudo, até lances de bola parada. Van Gaal até tentou dar um gás, trocando Martins Indi por Janmaat e colocando Kuyt na esquerda. E tudo seguia da mesma maneira.
A partir dos 20 minutos, a Argentina deixou de ser passiva e adiantou a marcação. Pegando forte no meio-campo, obrigava a Holanda a trocar passes no campo defensivo, e o jogo ficou mais monótono ainda. Sem pressa, os zagueiros tocavam de um lado para o outro em busca de espaços. Mas o primeiro bom espaço da partida quem encontrou foram os argentinos.
Aos 30 minutos, Enzo Pérez aproveitou dividida de Messi com dois holandeses, ficou com a sobra, avançou pela direita e cruzou na medida. Higuaín se esticou e tocou com a pontinha da chuteira. Grito de gol na arquibancada, mas a bola ficou na rede pelo lado de fora. Com o time desgastado pela forte marcação imposta o tempo todo, Sabella mudou e tornou a Argentina mais ofensiva: saíram Enzo e Higuaín para as entradas de Palacio e Agüero.
A prorrogação desde o minuto inicial parecia inevitável. Ninguém se expunha, ninguém arriscava. A posse de bola era quase idêntica: 51% x 49% para Holanda. Mas no lance final por muito pouco a genialidade de Sneidjer não decidiu a favor da Holanda. O camisa 10 deixou de calcanhar, Robben invadiu a área com espaço, demorou para chutar e foi travado por Mascherano quase na pequena áera. Não tinha jeito, seriam necessários mais 30 minutos.
Na prorrogação, Arjen Robben, enfim, apareceu. Mostrou aquele fôlego extra que só ele parece ter e passou a correr. Arrancava pela esquerda, pela direita, tentava. Tentava evitar os pênaltis. Mascherano, do outro lado, impedia que o rival conseguisse. Em lindo lance, o holandês se livrou de três, com direito a caneta em Demichelis, mas foi travado pelo volante. Quando teve espaço, arriscou de longe e parou em Romero.
Apesar da proximidade das penalidades, Van Gaal abriu mão de sua arma que não é mais secreta. Huntelaar entrou na vaga de Van Persie: era a terceira substituição. Krull não poderia ser herói dessa vez. Na Argentina, Messi até tinha a bola. Timidamente, mas tinha. Arrancava e sempre era desarmado facilmente. O craque tinha sua pior atuação no Mundial, talvez abalado pela morte do amigo jornalista Jorge "Topo" Lopez, em acidente de trânsito na madrugada desta quarta.
Nos 15 minutos finais, a Holanda cansou. Nem Robben tinha mais pernas para atacar, e a Argentina ganhou duas boas oportunidades. As finalizações, no entanto, foram pífias. E não tinha jeito: os pênaltis eram inevitáveis. Primeiro, Palacio recuou de cabeça na frente de Cillessen. Em seguida, Messi fez sua melhor jogada na partida, deixou três para trás e cruzou no segundo pau. Maxi Rodriguez, livre, pegou mal na bola. Era hora das penalidades.
Jogadores da Argentina comemoram vitória sobre Holanda (Foto: Marcos Ribolli)Jogadores da Argentina correm para vibrar com Romero após disputa por pênaltis (Foto: Marcos Ribolli)
Chiquito gigante: Romero coloca Argentina na final
Nas penalidades, a teoria de que a pressão está nos jogadores de linha já tinha ido por água abaixo. Depois de toda a polêmica nas quartas de final, contra a Costa Rica, Krul permaneceu no banco, e era a hora de Cillessen provar que merecia, sim, ser mantido. Antes mesmo de poder fazer sua parte, a responsabilidade já tinha dobrado. Na primeira cobrança, Vlaar chutou para defesa de Romero. O estádio explodiu em sotaque castelhano.
Na penalidade de abertura da Argentina, Lionel Messi. Bola de um lado, Cillessen para o outro, e gol. Em seguida, Robben e Garay fizeram, até que Romero novamente se agigantou. Chute de Sneidjer, defesa do goleiro. Daí em diante, a festa dos hermanos foi quase que uma contagem regressiva. Agüero fez, Kuyt também, e Maxi Rodriguez garantiu a vaga na final.
Não teve Messi, não teve Di María, muito menos Higuaín ou Agüero. O herói foi o improvável, o criticado Romero. Assim como um outro Sergio 24 anos atrás. Desta vez, como um grito de independência. Independência, Chiquito! No dia em que a Argentina se libertou, Romero fez o mesmo.
Fonte:G1

Nenhum comentário